Pages

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Feriado em Cabo Frio

Hoje era o último dia do feriado e quando acordei vi que o dia estava super ensolarado e o céu extremamente azul. Decidi ir a praia, afinal de contas não ia conseguir me concentrar na monografia com esse dia lindo lá fora.
Foi uma das melhores decisões que já tomei, sempre que vou a praia me sinto renovada. A praia estava perfeita, o clima delicioso e por um instante me vi lembrando da minha infância.
Nos meus tempos de criança e até adolescente eu adorava ir pra praia com a minha família. Quando tinha um feriadão a gente se programava com antecedência e marcava de ir todo mundo pra cabo frio (fica há umas 2 horas do Rio). A gente saía cedinho de casa, de madrugada, pra não pegar trânsito na estrada e aproveitar o dia. Era quase uma caravana, lembro que a gente ia em uns 3 carros e eu me divertia a beça nesses tempos.
A gente chegava em casa e cada um executava sua tarefa. As mães faziam faxina pra tirar a poeira, os tios cortavam a grama e pediam o caminhão pipa de água e nós crianças brincávamos na frente casa, ansiosos pra ir a praia.
A gente já chegava querendo ir pra água, mas sempre vinham aquelas mãos adultas cheias de protetor solar junto com um sermão pra gente não ficar muito tempo no sol.
Corríamos pra água e logo depois de alguns mergulhos a gente ficava na beirinha caçando tatuí. Nossa lembro bem daqueles bichinhos que se escondiam na areia e faziam cócegas na palma da nossa mão.
A gente tinha tanto pique que não consigo me imaginar fazendo metade das coisas que fazia tigamente. A gente pegava jacaré, catava tatuí, jogava frescobol, jogava bola, etc. Quando não estávamos brincando na areia, pasávamos um tempão na água e só voltava pra comer. O meu primo Danilo, por exemplo era praticamente um peixe, esse aí nem pra comer saía da água. Lembro do meu tio tentando chamar ele pra comer e o Danilo nem tchum.
Ai que saudades das coisas gostosas da praia! Eu adorava comer peixinho frito, pastel, bolinho de aipim, camarão, carangueijo, picolé. Tudo que vinha eu comia e o melhor é que como era criança a gente recebia peixinho já sem espinha, camarão sem casca, o carangueijo já na carne.
Quando o sol já estava quase indo embora, a gente recolhia as barracas e cadeiras e ia pra um restaurante a quilo pertinho dali almoçar.
Tudo era uma delícia desde a comida até as brincadeiras que a gente inventava. Lembro até hoje de uma que a gente adorava fazer de noitinha quando voltava da praia, o balança caixão. Lembro até hoje, a gente formava uma fila e todo mundo um por um saia correndo pra se esconder e falava o seguinte:
"Balança caixão, balança você. Dá um tapa na bunda e vai se esconder."
Ai o primeiro da fila, o que restava, tinha que ir atrás dos outros procurar. Era uma espécie de pique esconde mais moderninho. rs
Lembro também dos jogos de baralho,o "tô por um" era o mais jogado pela família Ribeiro. Sentava todo mundo ao redor da mesa e ficava até altas horas jogando. O prato da noite era quase sempre o mesmo: cachorro quente!
Todos os dias do feriado eram assim: café da manhã, praia e casa. De vez em quando é que a gente saía pra tomar um sorvete na praia do forte a noite.
Como tenho saudades desse tempo! Era uma sensação de férias, de liberdade, era uma alegria e bem-estar incrível. Hoje já não cato mais tatuís na praia e nem fico o dia todo brincando, mas não esqueço da minha sensação de felicidade dessa época.
Por mais que eu tenha, 40, 70 ou 90 anos esse é o tipo de lembrança que terei dessa Grande Família: As "férias" em cabo-frio com a família Ribeiro!

8 comentários:

N@ty Ferreira disse...

ahhh amei esse texto, acho q foi um dos melhores seus q já li aqui...talvez pq diz respeito a minha infância tb!!!
vc só esueceu da "banana"(uma espécie de bote que puxava a gente...) lembra?!rsss

Juliana Ribeiro disse...

Ah eh verdade o banana boat era muito bom, não sei como fui me esquecer!

N@ty Ferreira disse...

ahhh esqueceu dos passeios na Praia da Concha e daquela gruta q a gente mergulhava, que dava para o mar aberto...
sem falar no medo da água viva, mto comum pelas praias de Cabo Frio

Ludmilla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ludmilla disse...

hahahah Ju muito bom o seu texto!!!! Akelas viagens são marcantes, mas vc esqueceu outra coisa, o nosso medo dos maribondos, kkkkkkkkkk

Fábio disse...

Blog legal... qdo der visita o Ecos (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM)

Danilo disse...

ótimos tempos..
o sorvete no forte era o auge da viagem ! hahhaha

rattleheadbrasil disse...

Minha infância, adolescência e vida adulta foram frequentando cabo frio, praia das dunas, conchas, quantos cabo folia, tatuí elétrico no carnaval e outros eventos frequentei nestas terras!!